‘Semana dos Clássicos’ é destaques do ciclo MIS de cinema, em Campinas

Os ingressos são gratuitos e limitados; confira a programação e bom filme.

O ciclo de cinema do Museu da Imagem e do Som (MIS) de Campinas de junho está com uma programação que contempla diversos estilos e temáticas. 

Cena do filme. Foto: Reprodução/divulgação.

O público poderá conferir obras como o clássico “A Mulher faz o Homem” de Frank Capra, 1939; “Masculino, Feminino” de Jean-Luc Godard, 1966; “Marty” de Delbert Mann Marty,1955 e “O Enigma De Andrômeda” de Robert Wise, 1972, além de alguns títulos contemporâneos como “Bixa Travesty” de Kiko Goifman e Claudia Priscilla, 2018.

Confira as respectivas sinopses abaixo e aqui é só chegar, pois, o “#CineÉNaFaixa”.

As sessões têm entrada gratuita. Após as exibições, há bate-papo com a plateia.

Programação

Segunda-feira, 24 de junho, 19h

“Screw”
Direção: Takashi Ito. Experimental. Japão, 1982. 3 min. Colorido.

Segunda-feira, 24 de junho, 19h30

“Bixa Travesty”
Direção: Kiko Goifman, Claudia Priscilla. Brasil, 2018,75min.

O corpo político de Linn da Quebrada, cantora transexual negra, é a força motriz desse documentário que captura a sua esfera pública e privada, ambas marcadas não só por sua presença de palco inusitada, mas também por sua incessante luta pela desconstrução de estereótipos de gênero, classe e raça.

Terça, 25 de junho, 14h

“Uma Família”
Direção de Sebastiano Riso. Itália, 2017. Colorido, 105 min.

Vincent (Patrick Bruel) tem 50 anos e nasceu perto de Paris, e não tem laços com suas raízes. A jovem de apenas 15 anos, Maria (Micaela Ramazzotti), também não convive com sua família. O casal vive uma vida isolada em Roma sem precisar de ninguém para nada, o que aparentemente parece bom.

Quarta-feira, 26 de junho, 19h

“A Mulher faz o Homem”
Direção de Frank Capra. EUA, 1939, Preto & Branco, 129 min. Não recomendado para menores de 14 anos.

Jefferson Smith (James Stewart) é um homem humilde do interior que é convidado a se tornar senador dos Estados Unidos em Washington. Ao chegar lá, ele vai ver como a política é suja e como a maioria dos chefes de estado estão afundados nessa lama. Apesar de Smith ser um homem simples, ele não se acovarda perante aos outros, como quando depois de sofrer falsas acusações, fez um discurso de várias horas que o esgotou completamente. No meio dessa sujeira toda, o que ele acreditava em relação a bondade e ao caráter dos governantes fica totalmente ameaçado.

Quinta-feira, 27 de junho, 19h

“Drill”
Direção: Takashi Ito. Experimental. Japão, 1983. 6 min. Colorido. Livre.

Quinta-feira, 27 de junho, 19h30

“Masculino, Feminino”
Direção de Jean-Luc Godard. França, Suécia, 1966, Preto & Branco, 110 min. Não recomendado para menores de 14 anos.

Paul (Jean-Pierre Léaud), um jovem que acaba de abandonar o serviço militar francês, é agora um militante contra a Guerra do Vietnã desiludido com a vida. Enquanto Madeleine (Chantal Goya), sua namorada, tenta uma carreira como cantora pop, ele se isola mais a cada dia.

Sexta-feira, 28 de junho, 15h

“Marty”
Direção de Delbert Mann Marty. EUA, 1955, Preto & Branco, 91 min. Não recomendado para menores de 14 anos.

No Bronx vive Marty Piletti (Ernest Borgnine), um açougueiro italiano solitário com 34 anos que acha que nenhuma mulher vai se interessar por ele, apesar de sua mãe insistir que ele deve encontrar uma jovem para se casar. Numa noite de sábado, por insistência da mãe, ele vai dançar e conhece uma professora (Betsy Blair), que sente-se rejeitada como ele. Entre os dois surge algo que esperavam há muito tempo, mas ambos também são dominados por uma forte dose de insegurança, que pode prejudicar a relação.

Sábado, 29 de junho 

“Grim”
Direção: Takashi Ito.

Sábado, 29 de junho, 16h

“O Enigma De Andrômeda” 
Direção: Robert Wise. EUA, 1972, 130min. Não recomendado para menores de 12 anos.

Um satélite espacial cai em uma pequena cidade na Terra. Por causa da colisão, uma bactéria fatal que veio do espaço começa a dizimar a população. Enquanto isso, uma equipe de cientistas trabalha em um laboratório no subsolo tentando encontrar a cura. Eles descobrem que entre os infectados, apenas sobreviveram um bêbado e uma criança. A solução precisa ser encontrada antes que toda a humanidade seja exterminada.

Sábado, 29 de junho, 19h30

“Duas Vezes Senzala”
Direção de Gustavo Pozzatti. Brasil, 2017, 25 min. Classificação Indicativa: Livre.

Curta-metragem independente que retrata a vida de pessoas LGBT’s negras, suas vivências e suas experiências ao se assumirem. O documentário percorre entre entrevistas que explanam a vida dessas pessoas crescendo em uma sociedade LGBTfóbica e racista. O objetivo do filme não é só abordar a discriminação que essas pessoas sofrem dentro da nossa sociedade, mas também dentro da própria comunidade LGBT que, infelizmente, ainda reverbera comportamentos racistas e preconceituosos. Esse documentário tem como busca uma discussão aberta e construtiva sobre raça, identidade de gênero e orientação sexual, explorando meios e formas de quebrar comportamentos LGBTfóbicos e racistas que ainda permeiam nossa realidade social.

Programe-se

Ciclo MIS de Cinema 

Local: Museu da Imagem e do Som – Campinas – Palácio dos Azulejos – Regente Feijó, 859
Informações: (19) 3733 8800.
Entrada gratuita (32 lugares).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *